Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro ganhou batalha do ICMS contra governadores

 

Os governadores perderam - e feio - a batalha discursiva sobre a incidência do ICMS sobre combustíveis. Após muita insistência, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu, via Congresso Nacional, obrigar os governos a reduzirem a alíquota sobre o diesel e a gasolina e o resultado rapidamente apareceu nas bombas. O valor pago pelo consumidor baixou, mas reduzir o ICMS está longe de ser a solução para os problemas dos combustíveis. 

 Caso o preço do barril de petróleo se conserve no atual patamar no mercado internacional, a estratégia de Bolsonaro será altamente contemplada. Porém a volatilidade do fornecimento, em meio a uma perspectiva não tão boa quanto à duração da guerra da Ucrânia, não permite manter a visão otimista de que não sofreremos com novos reajustes nos próximos meses. O governo federal aposta nisso e na possibilidade de controle de preços feito pela Petrobras. Até a eleição, é provável que haja sucesso nisso. Só que o buraco do ICMS é bem mais embaixo. 

 O Estado brasileiro é caro e pouco eficiente. O valor pago em impostos é inversamente proporcional à qualidade do serviço prestado na imensa maioria dos casos. Isso gera um grau de insatisfação enorme na população, o que justifica as reações exageradas quando há reduções artificiais em impostos, como foi o caso do fatídico vídeo do carro banhado de gasolina que viralizou na última semana. O governo federal diminuiu a arrecadação alheia e vai ficar com todo o bônus - culpa dos governadores, que erraram de estratégia. 

 Ao invés de apresentarem os impactos na queda da arrecadação nos estados e municípios, os governadores partiram para o embate direto com Bolsonaro. O presidente e a relação com o eleitor construída por ele deveria ter mantido os chefes de Executivo estaduais mais comedidos. O personagem sem filtro, avatar cujas bases foram firmadas muito antes de 2018, parece bem mais autêntico do que a pompa do “vamos perder bilhões para saúde e educação” sem evidenciar quais cortes deverão ser feitos e as consequências disso. 

 O real problema da redução do ICMS não é ela em si. É o fato de a proposta esconder a poeira embaixo do tapete enquanto o país não discute uma redistribuição tributária. O ICMS é a principal fonte de arrecadação dos estados. O governo federal, além de concentrar os impostos, corta a receita dos estados. Em uma analogia familiar, é como se o avô/ a avó que tem muito dinheiro, ao invés de ajudar na mesada do neto, obrigasse o pai/ a mãe a dar o reajuste, mesmo que esteja com o cinto arrochado. Cobre a cabeça, mas descobre os pés. 

 É preciso ter maturidade para entender que a medida não foi correta, pois só empurra o problema para outrem. E é preciso ter a mesma maturidade para entender que Bolsonaro ganhou de lavada essa disputa narrativa contra os governadores. Cabe a eles agora chorarem pitangas, ao tempo que reorganizam os orçamentos para lidar com as receitas que não serão mais realizadas. A nós, brasileiros, cabe torcer para que os serviços públicos não piorem ainda mais. 

 Fonte: Bahia Notícias



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bahia vence São Paulo e se aproxima do “PELOTÃO” DA SUL-AMERICANA

  Único gol da partida foi marcado por Rossi, aos 77 minutos da segunda etapa Jogando na Arena Fonte Nova, o Bahia bateu a equipe do São Paulo por 1 a 0, na noite deste domingo, e reencontrou o caminho dos triunfos.   O único gol da partida foi marcado por Rossi, aos 77 minutos da segunda etapa. Com o resultado, o Bahia saltou para 14ª posição, com 37 pontos. Agora, os comandados de Guto Ferreira visitam o Flamengo na próxima quinta-feira, às 19h, no Maracanã.   Agora, a equipe abriu seis pontos para zona de rebaixa mento e começa a sonhar com vaga na Sul-Americana, já que tem apenas um ponto a menos que o Atlético-GO, 12º colocado.  O jogo  Logo aos quatro minutos de jogo, Rigoni recebeu na área e soltou a bomba, mas a bola explodiu na zaga e sobrou para Miranda, que tentou empurrar para o gol, mas Luiz Otávio afastou o perigo. Aos 14, Juninho Capixaba recebeu no meio, arrumou para o pé direito, e bateu colocado. Volpi, bem colocado, se esticou para evitar o gol do Bahia.   Seis min

EUA concedem aprovação completa para vacina da Moderna contra Covid-19 em adultos

  A Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA) concedeu nesta segunda-feira a aprovação completa à vacina contra Covid-19 da Moderna Inc's para pessoas com mais de 18 anos, tornando-se a segunda vacina totalmente aprovada para o vírus.   A vacina da Moderna recebeu autorização de uso emergencial nos Estados Unidos em dezembro de 2020, e agora pode ser vendida sob o nome Spikevax. A dose da Pfizer e da BionTech que usa tecnologia similar recebeu aprovação completa dos Estados Unidos ano passado para pessoas com mais de 16 anos, após também ter recebido autorização de uso emergencial.  Quase 75 milhões de pessoas já receberam as vacinas de duas doses da Moderna nos Estados Unidos, segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças.   A vacina da Moderna está liberada para o uso em mais de 70 país, incluindo Canadá e União Europeia.  Em junho de 2021, a empresa pediu para que a vacina recebesse autorização para ser utilizada em pessoas entre 12 e 17 anos, ma

João Dourado: Com 86,8% de urnas apuradas, Di Cardoso vence eleição suplementar

  O candidato a prefeito de João Dourado Diamérson Costa Cardoso Dourado, o "Di Cardoso" (PL), já pode ser considerado vencedor da eleição suplementar ocorrida neste domingo (7). Com 86,79% das urnas já apuradas, o candidato já obtém 6.436 votos [56,81%] contra 4.913 votos [43,19%] de Abimael Dourado Lima Júnior, o Juninho (PSD).   Di Cardoso representava a chapa “Agora é com mais força” e reunia os partidos PL, PSB e PC do B. Di Cardoso havia vencido o pleito de novembro do ano passado, mas teve o diploma cassado, devido ao fato de ter a então candidata a vice-prefeita irregular.   Rita de Cássia Amorim Amaral, conhecida como Rita de Doutor Celso, tinha assumido a prefeitura em menos de dois meses para o pleito. Já a candidatura de Juninho (PSD) foi considerada irregular por conta da situação do seu candidato a vice à época, o ex-prefeito Antônio Rogerio Dourado Vasconcelos.  Uma perícia do Ministério Público Eleitoral teria constatado que a prefeitura, sob gestão de Vasconc