Pular para o conteúdo principal

Economia teme que discussão sobre PEC dos Combustíveis pressione dólar e eleve preços

 

A equipe econômica teme que a discussão sobre a PEC (proposta de emenda à Constituição) formulada pelo Palácio do Planalto para cortar impostos de combustíveis sem compensação orçamentária pressione ainda mais o patamar do câmbio. 

 O time de Paulo Guedes (Economia) afirma que o nível do dólar, diretamente ligado aos preços observados nos postos, pode escalar em meio às discussões e contribuir para eliminar o efeito do corte tributário pretendido. 

 A moeda encontra-se atualmente em trajetória de queda. Nesta segunda (7), o dólar caiu para a menor cotação frente ao real em quase cinco meses, a R$ 5,2520. Analistas atribuem o recuo da divida à alta da taxa básica de juros (Selic) pelo Banco Central, que amplia a atratividade da renda fixa brasileira para investidores estrangeiros. 

 Para integrantes do ministério da Economia ouvidos pela reportagem, esse arrefecimento do dólar ajudaria a conter a alta de preços, inclusive os de combustíveis. A negociação da PEC, no entanto, pode fazer esse cenário mudar, afirmam, em meio ao temor de investidores sobre o impacto do texto final para os cofres públicos. 

 Além das incertezas fiscais, podem afetar o câmbio fatores como a instabilidade institucional (inclusive a estimulada pelo presidente Jair Bolsonaro), a elevação dos juros em grandes economias, as condições da atividade no Brasil, o noticiário eleitoral e a tensão geopolítica internacional. 

 Guedes e sua equipe têm alertado constantemente o restante do governo sobre os riscos dos debates. Na última sexta-feira (4), o chefe da equipe econômica almoçou com Bolsonaro e manifestou preocupação com o rumo das discussões. 

 O Ministério da Economia é contrário à solução via PEC e defende que o esforço legislativo seja direcionado ao PL (projeto de lei) 11/2020. O texto, aprovado na Câmara em outubro e parado no Senado desde então, mudaria a cobrança do ICMS e estabeleceria limites para a tributação. 

 Os estados resistem às alterações no imposto, mas os integrantes da pasta afirmam que o PL vai no coração do problema e tem impacto imediato. Além disso, o projeto não infringiria a lei eleitoral por não ser um ato do governo e por já ter sido aprovado pelos deputados no ano passado —o mesmo entendimento não está assegurado para a PEC, que inclusive continha a assinatura de um membro da Casa Civil nas propriedades do documento. 

 O PL também demandaria um esforço de articulação menor por já ter sido aprovado na Câmara –bastando, agora, ser aprovado por maioria do Senado. Já uma PEC demandaria aval de três quintos dos deputados e depois dos senadores. 

 O texto do PL estabelece que as alíquotas de ICMS de combustíveis sejam específicas, por unidade de medida (o chamado ad rem), em vez de serem atreladas ao preço cobrado nas bombas (ad valorem). Pelo texto, os percentuais seriam definidos anualmente pelos estados e vigorariam por 12 meses.

 O projeto ainda impede as alíquotas de excederem, em reais por litro, o valor médio praticado ao longo dos dois exercícios anteriores. Para o primeiro ano de vigência, os valores não poderiam ficar acima da média observada em 2019 e 2020. 

 Diante da resistência dos governadores às mudanças no ICMS, o governo chegou até a discutir a alternativa de pressioná-los com a possibilidade de fazer um corte linear em alíquotas do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), que também é recebido pelos estados –conforme mostrou o jornal Folha de S.Paulo. 

 Mesmo com a preferência manifestada no governo pela via do ICMS, o Palácio do Planalto concluiu na semana passada uma PEC que permite a redução de tributos sobre os combustíveis mais ampla do que o combinado com Guedes e a entregou a um deputado da base para ser protocolada na Câmara.

 Diante das discussões via PEC, o governo colocou na geladeira a proposta cogitada até a última semana de cortar o IPI como forma de pressionar governadores pelas mudanças no ICMS. De acordo com técnicos ouvidos pela reportagem, uma desoneração maior do que aquela aplicada somente ao diesel vai tirar o espaço fiscal para a execução da estratégia. 

 A PEC do governo foi redigida por um funcionário da Casa Civil, o subchefe-adjunto de Finanças Públicas, Oliveira Alves Pereira Filho, conforme é possível identificar nas propriedades do documento.

 Depois, a proposta foi protocolada pelo deputado Christino Áureo (PP-RJ), que agora recolhe as 171 assinaturas necessárias para que possa tramitar na Casa. 

 Aliado do governo e correligionário do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, Áureo propôs um texto mais amplo, que alcança diesel, gasolina, etanol e gás de cozinha. Guedes defendia baixar tributo apenas do diesel. 

 A corrida por uma solução para baixar o preço dos combustíveis abriu uma guerra de PECs no Congresso. A disputa é fomentada por uma divisão dentro do próprio governo, em que diferentes integrantes da ala política apoiam propostas distintas. As iniciativas também colocaram Câmara e Senado em busca de protagonismo em uma agenda com forte apelo eleitoral. 

 O Ministério da Economia, por sua vez, foi atropelado por todos os lados e restou isolado na defesa de medidas mais comedidas, que não arrisquem tanto a situação das contas públicas. 

 Além da proposta na Câmara, que autoriza uma desoneração ampla de tributos sobre combustíveis, foi apresentada outra PEC no Senado, que vai além e inclui extensão do auxílio-gás a maior número de famílias, auxílio-diesel de R$ 1,2 mil a caminhoneiros e um subsídio de R$ 5 bilhões para evitar tarifaço em ônibus urbanos. 

 O presidente vinha cobrando prioridade a soluções para o preço dos combustíveis, que têm impulsionado a inflação e podem atingir novo pico no terceiro trimestre, auge da campanha eleitoral. Há mais de seis meses o governo vinha trabalhando numa proposta. 

 Bolsonaro é o segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

 Fonte : Bahia Notícias









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bahia vence São Paulo e se aproxima do “PELOTÃO” DA SUL-AMERICANA

  Único gol da partida foi marcado por Rossi, aos 77 minutos da segunda etapa Jogando na Arena Fonte Nova, o Bahia bateu a equipe do São Paulo por 1 a 0, na noite deste domingo, e reencontrou o caminho dos triunfos.   O único gol da partida foi marcado por Rossi, aos 77 minutos da segunda etapa. Com o resultado, o Bahia saltou para 14ª posição, com 37 pontos. Agora, os comandados de Guto Ferreira visitam o Flamengo na próxima quinta-feira, às 19h, no Maracanã.   Agora, a equipe abriu seis pontos para zona de rebaixa mento e começa a sonhar com vaga na Sul-Americana, já que tem apenas um ponto a menos que o Atlético-GO, 12º colocado.  O jogo  Logo aos quatro minutos de jogo, Rigoni recebeu na área e soltou a bomba, mas a bola explodiu na zaga e sobrou para Miranda, que tentou empurrar para o gol, mas Luiz Otávio afastou o perigo. Aos 14, Juninho Capixaba recebeu no meio, arrumou para o pé direito, e bateu colocado. Volpi, bem colocado, se esticou para evitar o gol do Bahia.   Seis min

João Dourado: Com 86,8% de urnas apuradas, Di Cardoso vence eleição suplementar

  O candidato a prefeito de João Dourado Diamérson Costa Cardoso Dourado, o "Di Cardoso" (PL), já pode ser considerado vencedor da eleição suplementar ocorrida neste domingo (7). Com 86,79% das urnas já apuradas, o candidato já obtém 6.436 votos [56,81%] contra 4.913 votos [43,19%] de Abimael Dourado Lima Júnior, o Juninho (PSD).   Di Cardoso representava a chapa “Agora é com mais força” e reunia os partidos PL, PSB e PC do B. Di Cardoso havia vencido o pleito de novembro do ano passado, mas teve o diploma cassado, devido ao fato de ter a então candidata a vice-prefeita irregular.   Rita de Cássia Amorim Amaral, conhecida como Rita de Doutor Celso, tinha assumido a prefeitura em menos de dois meses para o pleito. Já a candidatura de Juninho (PSD) foi considerada irregular por conta da situação do seu candidato a vice à época, o ex-prefeito Antônio Rogerio Dourado Vasconcelos.  Uma perícia do Ministério Público Eleitoral teria constatado que a prefeitura, sob gestão de Vasconc

RG Expresso chega a todos os postos SAC da capital e interior

  O RG Expresso, serviço que possibilita ao cidadão solicitar a reimpressão da carteira de identidade sem precisar sair de casa, já está disponível em todos os postos SAC da capital e interior. Ao optar pelo RG Expresso, basta ir ao posto SAC só uma vez, apenas para receber o documento já pronto. Sem o RG Expresso, o cidadão precisa ir duas vezes ao posto SAC.   O RG Expresso é feito online, por meio do SAC Digital. O cidadão solicita pela internet ou pelo aplicativo, e depois agenda dia e horário para buscar o documento no posto SAC escolhido, após o pagamento da taxa de R$ 39,39. Para solicitar o RG Expresso é preciso que a carteira de identidade tenha sido emitida há seis anos, no máximo.   Vale salientar que o RG Expresso mantém a data de expedição da última via solicitada, além da data do novo pedido. O prazo máximo de recebimento é de cinco dias úteis na capital e sete no interior. Em Salvador, região metropolitana (RMS) e interior, todos os 36 postos SAC estão aptos a entregar o